Para come ar a poupar, quanto mais cedo melhor, garantem economistas

Para come ar a poupar, quanto mais cedo melhor, garantem economistas

Jovem de 21 anos, de Palho a, é um exemplo. Ele acompanha gastos e tem metas para o futuro.

Entre os economistas, hé uma frase que diz que, em se tratando de poupané a, quanto anos melhor. e a partir dessa premissa que Ariel Paiva, 21 anos, morador da cidade de Palho a, na Grande Floriané polis, organiza sua vida e seus sonhos para os próximos anos.

O jovem conta que controla os gastos de forma s ria desde o ano passado, pois foi quando come ou a trabalhar e passou a ter uma renda que justificasse o controle. Mas o principal incentivo veio de casa, da família.

“Minha mé e é o tipo de pessoa que coloca tudo na ponta do lápis, cadernos e cadernos de controle financeiro. Minha avé por parte de pai também. Como chefe da casa, sempre cuidou muito do dinheiro. Estive convivendo com esses dois últimos exemplos desde que nasci” diz Ariel.

Para melhorar o controle, ele utiliza um aplicativo para celular. Mas antes disso desenvolveu um mé todo próprio de acompanhamento dos gastos.

“Fazia o controle somente com o extrato do banco. Estipulava uma quantia que eu queria guardar e sacava o resto. O que ficava no banco era a poupané a. Depois de algum tempo, quis saber exatamente para onde estava indo o meu dinheiro e passei a usar um aplicativo no celular” explica.

Para o economista Luciano Araé jo, o modelo de controle do jovem Ariel e indicado para quem precisa visualizar o saldo disponível. Mas, segundo ele, é necessério ter bastante disciplina. Hé também um risco a mais, que e ter dinheiro vivo disponível.

“O ideal é manter a quantia que você tem disponível para gastar como saldo na conta corrente do banco. Não misture com o dinheiro que você quer economizar”, ensina o economista.

Em relação aos objetivos, Ariel tem muitos. E incluem viagens e a aquisi o de bens de consumo.

“No curto prazo o plano é curtir um Ré veillon mais folgado. Foi um combinado que fiz com a minha namorada. Chega de passar a virada de ano na pobreza. No médio prazo é comprar um carro para o casal. A longo prazo e uma viagem de fé rias para destino mais longe possé vel. Tenho uma caixinha para cada objetivo: os mais próximos são mais alimentados do que os distantes” diz.//