Artigo: Planejamento Financeiro Pessoal no Brasil

Nós, brasileiros, somos internacionalmente conhecidos por diversos valores, como o samba, a beleza das mulheres e, també, pela vivência financeira que a nossa geração baby-boomers, de ambos os sexos, adquiriu por ter vivido em ambiente financeiro adverso durante décadas. Convivemos com inflação alta, planos heterodoxos, promessas políticas impossíveis etc.

Em que país já se viu, nos supermercados, especialmente dona de casa, utilizando calculadora HP12C para ter certeza que está comprando produtos com valor presente, à vista, adequado, quando comparado com as prestações a perder de vista…? Isto aconteceu no Brasil. E não faz muito tempo. O Real tem somente 19 anos, acabou de passar pela primeira maioridade.

Prezados: estamos vivendo num Brasil de ambiente novo, especialmente quando falamos de finanças pessoais. Enquanto o Real estava crescendo e se desenvolvendo, passando da infância para adolescência, ele foi acompanhado por taxa de juros (real) alta. Durante muito tempo, a mais alta do mundo!!! Ficou mais forte nosso querido, porém jove, Real. Isto é, nossa moeda se valorizou em relação às outras e nosso país começou a participar do jogo internacional em pé de igualdade, recebendo até classificação investment grade. A alta taxa de juros reduziu de tamanho no decorrer do tempo e no jogo de “empurra pra lá – puxa pra cá”, a inflação ficou sob algum controle. Hoje a taxa de juros (real) no Brasil está em nível de igualdade internacional.

E assim, os investimentos financeiros no Brasil e em qualquer parte do mundo começam a competir em termos de retorno absoluto: um Brasil novo, inserido no contexto internacional, porém ambientado na ainda grande insegurança global relacionada à recente crise financeira internacional.

Se a taxa de juros (real) é parecida internacionalmente, ela perde relevância relativa. Não é apenas ela que norteia nossos investimentos financeiros. Acabaram-se, assim, os tempos da facilidade de nosso dinheiro se multiplicar por somente depositá-lo no Banco, o qual nos possibilitava participar da “festa dos juros altos”. Como fazer agora para que suas finanças pessoais trabalhem a seu favor, adequadas à sua realidade e expectativas, organizadas e rendendo resultados positivos ao longo do tempo? Então, é neste momento, especialmente no Brasil, que o ainda recente conceito de “planejamento financeiro pessoal” entra no jogo.

Se você é uma pessoa que vive internacionalmente ou inserida no seu dia a dia local aqui no Brasil, todos deveríamos desenvolver o hábito de planejar nossas finanças. O ambiente atual de razoável estabilidade econômica nos permite prever necessidades, controlar gastos, obter segurança e comparar meios de acumular riqueza.

Atualmente, no mundo emancipado e moderno, onde todos temos chance de prosperar, independente do gênero, e onde estamos expostos à quantidade, diversidade e velocidade da comunicação, a facilidade de alguém se perder no labirinto das finanças pessoais é real. A ainda jovem profissão do Planejador Financeiro Pessoal chegou para assessorar quem não é especialista em finanças pessoais. A função deste profissional em relação às suas finanças é comparável, por exemplo, à do arquiteto. Você pode ter a clara visão da casa que você deseja, mas, se não tem habilidades e conhecimentos para isso, o arquiteto irá desenvolver o projeto, adaptando-a ao terreno, ao ambiente, ao orçamento, ao usuário.

O Planejador Financeiro Pessoal desenvolve seu trabalho através de um processo com as seguintes etapas:

1. estabelece o relacionamento profissional;

2. coleta informações;

3. analisa e diagnostica as informações e contexto econômico atual e esperado;

4. desenha plano financeiro visando alcançar, de forma realista, objetivos financeiros e de vida do cliente;

5. executa e/ou assessora a implementação do plano

6. monitora e controla as finanças do cliente no tempo, seguindo a orientacão da profissão: o interesse do cliente em primeiro lugar!.

A grande contribuição deste processo consiste na demonstração de clareza, conscientização e disciplina para conquistarmos nossos objetivos financeiros e de vida. A parceria com profissional especializado, confiável e autorregulado facilita e acelera o alcance dos objetivos. Há profissionais que podem lhe assessorar no seu planejamento financeiro pessoal. Existe no mundo hoje a certificação CFP® Certified Financial Planner (Planejador Financeiro Certificado), reconhecida em 24 países, que atua por autorregulação e garante ao cliente que o profissional certificado que lhe atende aderiu, via exame, a padrão elevado de exigências profissionais, de conduta e de educação continuada.

Os planejadores financeiros CFP no Brasil são certificados pelo Instituto Brasileiro de Certificação de Profissionais Financeiros-IBCPF, entidade sem fins lucrativos e afiliada ao Financial Planning Standards Board-FPSB, que regula este padrão mundialmente. Você encontra este profissional hoje nos bancos, nas gestoras de patrimônio, como consultor independente, agente autônomo ou prestador de serviços financeiros. Todos aderiram aos estudos amplos de planejamento financeiro, passaram por exame, foram avaliados por critérios rígidos de experiência e educação, ao padrão de conduta e assinaram o código de ética da profissão. O profissional CFP®, independente da empresa ou instituição para a qual trabalha, tem perfil e conhecimento técnico para orientar as finanças pessoais, de acordo com a realidade individual, conduzindo-a para a realização de seus objetivos financeiros e de vida.