Casamento e dinheiro: vocês conversavam sobre dinheiro antes do  Sim ?
Sem categoria
17/03/16

Casamento e dinheiro: vocês conversavam sobre dinheiro antes do Sim ?

casal-financas-contas-despesas-1352472289072_615x300Nasci na dé cada de 70 e me casei (pela primeira vez) na dé cada de 90, a mesma em que conheci a Internet. é vezes até me esque o de como era possé vel viver sem a Internet. Alguns, mais nosté lgicos, chegam a dizer que a vida era melhor. Eu prefiro dizer que ambas as é pocas possuem pontos positivos e negativos.

O fato é que antes da Internet a informação circulava com menos facilidade. Aquelas bibliotecas enormes, algumas municipais, outras dentro das universidades, era o local mais apropriado para se buscar conhecimento. Os mais abastados formam suas bibliotecas particulares, a iniciar pelas enormes enciclopé dias com seus livros pesadões.

Obviamente, era mais difácil também ao pé blico comum aprender a lidar com o dinheiro e suas nuances. Em paralelo, esta foi uma geração onde a mulher expandia com velocidade a sua atuação no mercado de trabalho, ganhando seu próprio e merecido dinheiro.

Elas estavam experimentando uma outra forma de independé ncia financeira, aquela em que não dependiam do marido. Então essas duas situações se unem: um casamento onde a educação financeira era quase inexistente e uma nova fonte de renda surgindo com o trabalho da mulher.

O dinheiro dele é de todos, mas o dela é sé dela?

O home, que estava acostumado a trabalhar para toda a família, via o dinheiro gerado cumprindo o seu papel; mas a mulher, diante da nova experié ncia financeira, muitas vezes usava o dinheiro para suas pré prias necessidades (cabeleireiro, roupas, cosmé ticos, acessérios, etc.).

Come ava um problema: o dinheiro dele era de todos, mas o dela era sé dela. Se você já experimentou isso, saiba que você faz parte da maioria dos casais, principalmente se você vem de gerações próximas da minha.

O problema com isso é que o ambiente domêstico fica bastante vulneré vel é divergé ncias e discussões, muitas vezes acaloradas, sobre a administração financeira familiar.

Como consequé ncia dos possé veis desentendimentos, podem haver desvios de conduta maiores, como já vingané as e traié ões financeiras onde um cé njuge busca atacar o outro atravós de um consumo ego sta, com a justificativa de que foi ele quem trabalhou e por isso tem direito de gastar como quiser.

Em situações menos cré ticas, a família conduz numa boa as diferené as nas fontes de renda de cada pessoa, mas adota o estilo já deixa a vida me levar onde falta o planejamento para criação, manuten o e aumento do patrimé nio.

Leitura recomendada: Crise financeira no casamento: como lidar com as dificuldades e dar a volta por cima?

De um modo ou de outro, ou ainda em derivações destes exemplos, a questão é que muitas pessoas, ainda hoje, entram para uma relação matrimonial em que o máximo que tiveram de conversas sobre dinheiro foi em relação é despesas com a festa de casamento (muitas vezes exagerada e financiada, inaugurando o planejamentofamiliar com uma dé vida).

Administrando e resolvendo os conflitos

A falta de recursos financeiros no lar gera tensão e funciona como um pavio, cujo fim detona uma sé rie de outros pequenos problemas conjugais e que vé m é tona em forma de acusações e justificativas ego stas sobre o modo como cada um mais gosta de agir. O fim você já sabe: contribui o para o aumento das estaté sticas de divé rcio (eu já contribué, e dé i muito).

Se o seu casamento come ou mal em relação é finanças, ou se você perdeu o controle no meio do curso, isso não é motivo de desespero. Ao contrário, é uma é tima oportunidade para o desenvolvimento de um grau maior de maturidade e intimidade do casal.

A solu o vem atravós do conhecimento, de instrué ões especé ficas sobre como administrar de maneira participativa as finanças do lar. Ferramentas como a confiané a, transparé ncia, dié logos francos e respeitosos (e ouvidos atentos é necessidades do parceiro) será o muito bem-vindas para ajudar a consertar a situação.

Exercé cios de oré amento, como o controle financeiro e uma reunié o semanal para discussão e alinhamento dos gastos são é timos para desenvolver o hábito de dialogar sobre o assunto.

Se você gosta de livros e ainda não possui estes dois citados abaixo, bastante conhecidos, eu os recomendo, pois me ajudaram bastante em minha é poca de ignoré ncia em relação ao assunto:

Por fi, aproveitando nossa era de inclusão digital, aqui no Dinheirama.com você tem um dos maiores acervos de finanças pessoais gratuitos da internet, com mais de 3.500 materiais, entre textos, e-books e vé deos.

Conclusão

O importante é que o dinheiro seja visto pela família como um instrumento de liberdade, tanto para melhoria da qualidade de vida, como para proteção em é pocas de instabilidade, além de promover a melhoria da sociedade atravós de doações para instituições filantré picas.

Desejo que o seu casamento seja verdadeiramente rico, e que nele prevale a o amor, a alegria, o carinho, o respeito e a fidelidade.