Dicas para se usar melhor o cartão de crédito

Dicas para se usar melhor o cartão de crédito

São milhões de usuários de cartões de crédito por todo o Brasil. E cotidianamente se valem desse formato mais seguro e cômodo, para comprar todo o tipo de coisas, seja à vista ou parceladamente.

Já estamos acostumados com essa modalidade de pagamento. Até contas de energia elétrica, água e telefone são pagas também com o cartão de crédito. Mas será que todos sabem usá-lo sem se complicar no final do mês?

Para se aproveitar das facilidades trazidas pelo cartão de crédito ao mundo dos consumidores, se faz necessário uma certa educação financeira, para se evitar o uso inadequado e o consequente endividamento.

Por isso temos aqui almas dicas práticas para ajudar ao nosso leitor a não ter o seu orçamento posto em risco, por causa do mal uso dos cartões:

Não se entusiasme com o seu limite e saia gastando – todo o cartão de crédito traz um limite, um valor máximo para ser usado pelo cliente. À medida que vamos usando o cartão no mês e pagando as faturas, o limite vai diminuído e retornando ao normal naturalmente mês a mês.

O problema é quando não controlamos os nossos instintos de consumo,  e de forma fantasiosa acreditamos que  aquele valor do limite  faz parte do orçamento da gente. Uma espécie de acréscimo ao nosso salário. O segredo é colocar na cabeça que o limite ou o valor que será disponibilizado é uma dívida a ser subtraída do salário. Quanto mais se usar, menos salário se terá (porque parte dos ganhos serão para pagar o valor do cartão).

Escolha bem a data do vencimento do cartão – Não coloque o vencimento em data anterior ao seu recebimento de salário mensal. E não corra o risco de pagar atrasado. No momento que atrasa a data da quitação do valor, imediatamente começam a contar os juros , as multas e as taxas.

Cuidado com o pagamento mínimo – O pagamento mínimo é algo para ser usado numa situação emergencial apenas. Também por causa dos juros altos do cartão, que incide sobre a parte da dívida que não foi quitada. Esse valor  entra no chamado crédito rotativo, e isso pode gerar o famoso efeito bola de neve.

Caso entre em uma situação dessas, o recomendável é buscar sempre uma linha de crédito mais barata do que está disponibilizada no cartão. Noutras palavras, busque empréstimos mais baratos (talvez com o gerente do seu banco),  e pague o restante do cartão, assumindo uma dívida menos cara.

Veja bem se precisa mesmo de mais de um cartão – Antes de se aventurar buscando mais cartões e mais crédito no mercado, tenha certeza de estar dominando as suas finanças e fazendo uso correto do cartão que já tenha. Seja bem honesto consigo mesmo, o mercado financeiro é regido pelo lado psicológico mais do que o consumidor imagina.

Valor da anuidade – tanto quanto possível, tente se livrar dessas taxas negociando com as instituições financeiras, mas caso não consiga, já tenha um pedaço do orçamento preparado para receber essa cobrança.  Lembrando que hoje existem empresas que oferecem a ausência de cobrança de taxas como um diferencial.

Acumulou pontos, use o quanto puder – Acompanhe com interesse o plano de acumulação de pontos que são oferecidos pelas empresas de cartões. Aqueles descontos em serviços e produtos. Veja aquilo que lhe possa ser útil, e não deixe passar, aproveite.

Fonte: Diário Prime