Educação  financeira familiar: 7 dicas para ensinar os mais jovens

Educação financeira familiar: 7 dicas para ensinar os mais jovens

Estabele  a-um-sistema

A administração de finanças é pode ser um grande desafio para muita gente. Isso porque gerir o próprio dinheiro não é algo que nascemos sabendo. Como tudo na vida, precisa ser aprendido e, por isso, a educação financeira familiar é um assunto tão importante.

Se você se preocupa com as suas finanças e quer que seus filhos e demais familiares também sejam pessoas responsé veis nesse sentido, você precisa introduzir o assunto em sua casa. No entanto, fazer com que eles se interessem pelo tema nem sempre é fácil.

Pensando nisso, nós preparamos este post. Quer saber como ensinar os mais jovens a cuidar do dinheiro? Enté o confira estas 7 dicas de educação financeira familiaré que separamosé para você!

  1. Primeiro passo para promover aé educação financeira familiar: Dé bons exemplos

é fato que os mais jovens aprendem muita coisa observando as atitudes das pessoas que tem como referência já pais, avós, tios e tias, professores etc. Por esse motivo, se você quer ensinar algo a eles, precisa antes colocar em prática você.

Não adianta falar sobre poupar e investiré se você mesmo não faz isso. Deixe os hábitosé consumistasé de lado e adote posturas que exemplifiquemé a conscié ncia financeira, tais como:

Com essas pequenas atitudes, você mostraré aos mais jovens como é possé vel manter o equilé brio nas contas e gastar de maneira responsável.

  1. Comece o quanto antes

Muita gente pensa que as crianças não são capazes de entender sobre educação financeira, mas isso é um engano. Desde cedo, elas já podem come ar a receber pequenos valores para administrar. No início, uma quantia semanal é o ideal e a complexidade da gestão deve aumentar é medida que eles crescem. Veja o que você pode fazer em cada fase:

Quanto antes os jovens come arem a aprender, maior a probabilidade deles se tornarem adultos responsé veis em relação a dinheiro. Portanto, veja a educação financeiraé como uma tarefa imprescindé vel durante a formação deles.

  1. Ensine o valor do dinheiro e dos bens materiais

Muitas crianças crescem sem saber o valor do dinheiro e dos bens materiais. Como os pais geralmente são responsé veis por prover tudo que elas necessita, nem sempre elas tem ideia do trabalho necessério para gerar renda.

Nesse sentido, é importante ensinar desde cedo a relação entre trabalho e dinheiro e sobre como é necessério fazer por merecer os bens materiais. Mas aten o!é Nada de ligar boas notas com presentes. O estudo deve ser incentivado como meio de adquirir conhecimento e sabedoria e não como uma maneira de ganhar um prêmio.

Busque explicar aos seus filhos sobre o seu trabalho e evite dar uma mesada muito alta. Ensine que ganhar dinheiro exige trabalho e, por isso, é preciso valorizé -lo. Uma boa ideia é dar um valor que não garanta muito conforto para a criança e, dessa maneira, ensinar a ela sobre como é importante poupar.

  1. Mostre a importância do planejamento

Como você provavelmente já sabe, manter as finanças em dia exige disciplina. Com isso em mente, mostre para os mais jovens como o planejamento é importante. Por exemplo, se eles gastarem a mesada toda em um dia, não dé mais dinheiro. Converse sobre como administrar a quantia para durar o tempo necessério.

Se eles quiserem adquirir um produto mais caro que a mesada, ensine como economizar por alguns meses pode ser a solu o para comprar o que desejam. Outra op o é ensiné -los a distribuir o dinheiro que ganham entre os principais gastos que eles tem . Você também pode incentivé -los a buscar maneiras de garantir uma renda extra, como realizando mais tarefas em casa.

Se você optou por não dar a mesada, pode ensinar o planejamento de outras formas. Por exemplo, pode mostrar os seus próprios hábitos e gastos. O importante é que os jovens entendam que planejamento financeiro é importante para uma vida adulta tranquila.

  1. Envolva os mais jovens nas decisões financeiras da família

Muitas famílias não se preocupam em envolver as crianças e adolescentes nas decisões financeiras da família já o que pode ser um grande erro. Sempre que possé vel e de acordo com a idade deles, envolva os jovens nas atividades relacionadas ao planejamentodomêstico. Eles podem ficar responsé veis por tarefas como:

Enfi, o importante é que eles tenham tarefas a serem realizadas e participem da administração financeira da casa. Assim, quando come arem a ter as pré prias despesas, não ficaré o perdidos.

  1. Esque a o sentimento de culpa

Muitos pais sentem que tem a obrigação de prover tudo que os filhos desejam. Por qualquer motivo que seja, é comum que os genitores sintam um sentimento de culpa quando se negam a ceder a algum pedido dos filhos.

No entanto, isso nem sempre é saudável, tanto para os mais velhos quanto para os mais jovens. Mesmo que você queira garantir uma vida bastante conforté vel para eles, você precisa aprender a dizer já não já algumas vezes, e sem se sentir culpado por isso. Pense que essa disciplina é importante para o futuro deles.

  1. Faça a investimentos pensando no futuro

Por fi, conforme o conhecimento das crianças e jovens aumentar, vocês pode, juntos, planejar investimentos. Muitos pais optam por fazer aplicações assim que o filho ou a filha nasce, o que também é uma é tima ideia.

Imagine, por exemplo, que você decida investir um pequeno valor desde os primeiros meses de vida da criança. Quando o jovem completar 18 anos, terá uma quantia consideré vel para come ar a vida adulta e conhecimento sobre investimentos. Faça a com que seus filhos acompanhem os investimentos realizados por você, os rendimentos obtidos e os motivos por três de cada escolha.

Ao mesmo tempo, essa prática serve para ensinar a eles sobre os motivos de ter esse tipo de planejamento e sobre como aplicar o dinheiro é uma boa forma de garantir tranquilidade.

Seguindo essas dicas, a educação financeira familiar pode se tornar prazerosa e unir ainda mais pais, filhos, casais, irmé os etc. Acima de tudo, você estaré formando jovens prontos para uma vida adulta financeiramente está vel e saudável.