Educação financeira. Você tem?

Por que estudar educação financeira? E, afinal, o que é essa educação? Seria simplesmente fazer anotação de nossas despesas em um caderninho, utilizar de planilhas eletrônicas sofisticadas ou aplicativos disponíveis para tablets e smartphones que prometem nossas finanças bem organizadas e todos seus problemas resolvido.

Todos começamos a lidar com finanças muito cedo. Antes mesmo de aprendermos a ler já estamos pedindo para o pai comprar balas e chocolates, e o dinheiro vai nos acompanhar pelo resto de nossas vidas. Resta saber como será nosso relacionamento com ele.

Mesmo sabendo desse eterno relacionamento, são poucas as escolas e pais que se preocupação com o ensino de finanças pessoais. Com isso, a maioria de nossas crianças e adolescentes aprendem apenas a gastar dinheiro e não a poupar, ou realizar um planejamento para aquisição de um brinquedo ou tênis de marca. Infelizmente vão chegar à fase adulta despreparados no que diz respeito à organização financeira e só irão perceber quando o seu salário acabar antes do dia 15 e tiverem que ligar para os pais solicitando um empréstimo para cartão de crédito.

E, afinal, você sabe quanto recebe por mês? Para a maioria que tem um emprego fixo e não ganha por comissão isso é uma pergunta fácil: recebemos aquele mesmo salário pago até o quinto dia útil de cada mês, e se vem alguma diferença no contracheque entramos em contato com o departamento pessoal nos informar sobre o tal desconto.

Então sabemos quanto e quando vamos receber e isso é uma grande ajuda para podermos organizar nossas despesas, ainda mais por que vivemos em um país com economia estável no que diz respeito a inflação há mais de uma década.

Agora, mesmo tendo conhecimento de quanto e quando recebe, você sabe quanto e em que gastou seu salário? Sabe de quanto é o somatório de suas dividas hoje? Quantos meses você pode sobreviver sem receber o salário? Acredito que responder a essas perguntas é um pouco difícil. Com a facilidade de crédito que temos como cheque especial, cartão de credito, crediário etc, se torna mais fácil adquirir os produtos que desejamos. A questão é se vamos poder pagar por eles.

Só vamos perceber que nossas dívidas estão maiores que nossa capacidade de pagamento quando não conseguirmos mais pagá-las e, enquanto estamos preocupados em pagar nossas dívidas esquecemos que o tempo passa, acabamos não construindo uma reserva para o caso de um imprevisto como desemprego ou mesmo para mantermos nosso padrão de vida na aposentadoria.

Diante de exposto, acredito na necessidade de um aprofundamento sobre o assunto educação financeira e sua importância na qualidade de vida das pessoas.