Emprego para mais velhos e o que mais cresce

 Só 2% das pessoas acima de 60 anos dispostas a trabalhar não acham vaga

Procura por funcionário qualificado, vantagem menor da aposentadoria e envelhecimento da população são causas
Uma discussão tem sido travada nesses últimos anos de mercado de trabalho aquecido: o Brasil vive ou não situação de pleno emprego. Ao menos para os mais velhos, tal condição é uma realidade.

Aqueles com mais de 60 anos que procuram emprego encontram facilmente.

O total de pessoas ocupadas nesse grupo etário cresceu 6,8% entre o segundo trimestre de 2012 e o mesmo período de 2013, segundo levantamento feito pela Folha a partir da nova Pnad contínua, que abarca 3.500 municípios. 
Foi, de longe, a faixa etária que mais avançou: mais de cinco vezes a média (1,1%).

A taxa de desemprego para o grupo maduro caiu de 2,2% para 1,8% nesse período. Ou seja, de cada 100 pessoas com mais de 60 anos dispostas a trabalhar, apenas 2 não acham vaga.

Três são os motivos para o aumento do emprego entre os mais velhos: o envelhecimento da população, a procura por mão de obra mais qualificada e com experiência e as regras para aposentadoria que penalizam quem para de trabalhar mais cedo.
"As pessoas não querem perder renda na aposentadoria e, por isso, se mantêm mais tempo no emprego", diz Cimar Azeredo Pereira, coordenador do IBGE.

Gabriel Ulyssea, do Ipea, diz que a busca por profissionais qualificados e com experiência é um dos principais motivos para o aumento do emprego entre os mais velhos, em um momento de escassez de mão de obra.
O mercado, diz, está aberto principalmente aos mais escolarizados. "Existem setores com carência de pessoal. Eles são mais aproveitados em funções que demandam conhecimento, experiência."

Para Aurélio Bicalho, economista do Itaú, o primeiro fator que impulsiona o emprego entre idosos é o próprio envelhecimento da população. "A questão demográfica leva ao aumento da força de trabalho. Já se viu isso em outros países", afirma.

O que determina, poré, se os idosos vão se manter ocupados ou não, diz, são as condições do mercado de trabalho, que tem se mostrado favorável com a crescente oferta de emprego e a renda em expansão –embora os dois indicadores já apontem desaceleração em 2013.
"O ciclo favorável torna o emprego mais atrativo do que se aposentar", diz Bicalho.

Com isso, cresceu a fatia das pessoas com mais de 60 anos que estavam empregadas –21,9% para 22,3% do segundo trimestre de 2012 para igual período de 2013. O grupo, poré, corresponde a apenas 6,5% do total de ocupados em todas as idades.

Peso da aposentadoria inibe aumento de emprego no NE
Pesquisa mostra que empresas não estão prontas para profissional

Região de menor renda do país, o Nordeste é também onde menos cresceu o emprego entre as pessoas com mais de 60 anos –2,9%, abaixo dos 6,8% da média do país. Os dois fatores, dizem especialistas, estão vinculados.

É que as aposentadorias na região subiram a reboque do aumento do salário mínimo superior à inflação. Ou seja, houve ganho de renda dos idosos e, com isso, menos interesse nas ofertas de trabalho que surgiram –muitas com baixa remuneração.

Para Aurélio Bicalho, do Itaú, o mercado de trabalho no Nordeste é "menos atrativo" aos maiores de 60 anos, já que a renda das aposentadorias aumentou e boa parte delas é corrigida pelo salário mínimo.

Para Cimar Azeredo Pereira, do IBGE, o mercado de trabalho nordestino é "menos desenvolvido" e oferece vagas em menos setores, ao contrário do Sul e do Sudeste, onde "as oportunidades são maiores".

As duas regiões sofrem mais com a carência de profissionais qualificados e registram os melhores rendimentos. Foi também onde mais expandiram o emprego entre os mais velhos –9,5% e 8%, respectivamente.

EMPRESAS
As empresas brasileiras não têm práticas que permitam aproveitar o potencial desses profissionais nem para lhes proporcionar melhor ambiente, segundo pesquisa da FGV (Fundação Getulio Vargas) com 138 companhias.

No levantamento, 37% dos entrevistados consideram o profissional mais velho como alternativa ao "apagão de talentos". Por outro lado, 70% o veem como mais "caro".

"Falta ao empregador ver que esse funcionário agrega mais valor à empresa, pois falta menos, é mais comprometido e em geral mais bem preparado", diz a professora Maria José Tonelli, do departamento de Administração Geral e RH da FGV, que conduziu a pesquisa.
E alerta: "As empresas precisam cuidar dos profissionais que têm hoje, porque não haverá mais a renovação constante de mão de obra a que estão acostumadas".

Rede de mercados "caça" idosos na missa e os atrai com plano de saúde

Objetivo é atrair trabalhadores "mais responsáveis e mais educados no atendimento"
Contratação começou em 2011 para reforçar os fins de semana, com operadores de caixa que trabalham 25 horas semanais
Em busca de idosos para trabalhar em um supermercado, a unidade de Campinas da rede Enxuto recorre a algumas táticas de contratação pouco usuais para a cidade do interior paulista.

Uma delas inclui o aviso de vagas de trabalho durante as missas: o padre de uma igreja do bairro anuncia aos seus fiéis a oferta de emprego.

A rede divulga ainda o interesse por novas contratações nas aulas de alongamento e caminhada no centro cultural do bairro e pela rádio interna da loja –o que faz com que alguns clientes se tornem também funcionários.
A contratação começou em 2011 para reforçar a equipe nos fins de semana, com um grupo de operadores de caixa que trabalha 25 horas semanais.
A experiência deu tão certo que no ano seguinte surgiu um grupo de empacotadores de compras e, hoje, os idosos estão espalhados por vários setores do supermercado: padaria, açougue, estoque e administrativo, entre outros.

A rede, presente também em Piracicaba, Limeira, Rio Claro e Cosmópolis, faz planos para contratar idosos nas demais unidades.
O açougueiro José Avelino Souza, 60, ficou sabendo da vaga pelo primo, de 65, que trabalha no estacionamento.

Metalúrgico aposentado, Avelino quis mudar de área "para não se estressar" e ganha cerca de R$ 1.200. "Não gosto de ficar parado, e ajuda a complementar a renda."

Darci Grigolon Coman, 71, começou a trabalhar na loja no mês passado, após ouvir colegas comentando sobre a oportunidade durante atividades no centro cultural.

"Nunca imaginei que seria operadora de caixa", diz Darci, que é formada em administração e estatística e recebe R$ 570 para trabalhar 25 horas por semana. "Mas não interessa quanto eu ganho. O importante é eu me manter ocupada."

PLANO DE SAÚDE
Outra atração é o bom plano de saúde. "O meu era muito caro, quase R$ 450 por mês. O plano de saúde [da empresa] é fundamental."
Cliente e funcionária do Enxuto, a também operadora de caixa Terezinha de Jesus Faustino, 63, ficou sabendo das vagas pela rádio interna do mercado, enquanto fazia compras.

Funcionária há pouco mais de um ano, ela diz que o trabalho lhe devolveu a autoestima após muitos anos sem conseguir um emprego fixo.
São 18 os funcionários com mais de 60 anos. E dos cerca de 400 empregados, metade passou dos 40.

"Os clientes elogiam bastante nossa iniciativa", diz Fabiana Robim Silva, analista de RH da empresa.
Para ela, as maiores qualidades dos idosos são a responsabilidade, a educação e a qualidade no atendimento.