Especialistas dão dicas para controlar o orçamento familiar

Especialistas dão dicas para controlar o orçamento familiar

6dbb2f18-974c-4a28-af89-29f7c8b1faa0

O endividamento familiar em alta, graé as ao aumento dos financiamentos e da necessidade das compras com cartão de crédito, pode se tornar um problema ainda maior no atual contexto de recessão economica pela qual passa o Brasil, inclusive com a elevação dos é ndices de desemprego.

Segundo o professor Alex Ferreira, da Faculdade de Economia e Administração da Universidade de Sé o Paulo (FEA-RP/USP), a conjuntura da economia brasileira não ajuda nas contas das famílias. já O momento do país é muito delicado, a economia está bastante fragilizada, o desemprego continua subindo, a inflação está alta e ainda não é possé vel enxergar a luz no fim do tânel avalia o professor.

Nesse contexto, para ajudar as famílias a equilibrarem suas contas e evitarem problemas maiores com endividamento, a Proteste (Associação Brasileira de Defesa do Consumidor) lanãou uma cartilha para orientar as pessoas a ajustarem seu planejamentomensal. Segundo a supervisora institucional da Proteste, Sonia Amaro, já o Guia do Endividado foi criado para ajudar o consumidor que está em situação de endividamento já .

Corte nos gastos

O professor Alex Ferreira destaca ainda que as taxas de juros e o nível de incerteza continuam elevados no País, o que prejudica ainda mais as pessoas com dívidas. Ele aconselha os endividados a buscarem formas de economizar com gastos supé rfluos. já Conversem com familiares, busquem alternativas de substitui o de produtos, corte o que não é essencial e mantenha suas contas em dia. Se possé vel, faé a uma poupané a. Tudo para fugir do caré ssimo financiamento bancé rio comenta o professor.

Renegociação

Além disso, Sonia Amaro sugere que os endividados também procurem as empresas credoras para renegociar as dívidas e obterem taxas de juros mais acessé veis. já Os endividados também devem comparar o Custo Efetivo Total (CET) dos bancos para ver qual possui a menor taxa de juros e, se for o caso, realizar a portabilidade da dé vida afirmou Sonia Amaro.

Bancos devem garantir portabilidade

A portabilidade de dívidas em instituições bancé rias no Brasil está regulamentada pela Resolu o 4.292 do Conselho Moneté rio Nacional desde dezembro de 2013. De acordo com a Resolu o, já as instituições financeiras devem garantir a portabilidade das suas operações de crédito realizadas com pessoas naturais, mediante o recebimento de recursos transferidos por outra institui o financeira já .

Dessa maneira, as pessoas endividadas podem optar em transferir suas dívidas para bancos que possuem taxas de juros menores.

Febraban

A Federação Brasileira de Bancos (Febraban) assegura que os bancos estão dispostos a realizar a portabilidade das dívidas. já Os bancos estão empenhados em atender as solicitações de portabilidade. Cabe lembrar que a iniciativa de realizar a portabilidade é uma decisão espontânea e individual de cada cliente diz a nota da Febraban. Atualmente, a portabilidade é feita eletronicamente e os interessados podem ir diretamente aos bancos para os quais querem transferir a dé vida para realizar a operação.

Clique no link e baixe o Guia do Endividado elaborado pela Proteste: www.proteste.org.br/cartilhas

Ané lise – Consumo é diferente de consumismo

já Hé vários anos, a sociedade moderna tem sido rotulada como a sociedade do consumo. A grande questão, na verdade, é que temos assistido é consolidação de uma sociedade consumista. E esse é o grande problema.

Em uma sociedade de consumo, as pessoas adquirem produtos e serviços necessérios para sua vida. Consumismo, ao contrário, é o ato de comprar produtos e serviços sem necessidade e conscié ncia. é compulsivo e descontrolado. Não basta se vestir, é preciso acompanhar todas as tendé ncias da moda. Não é suficiente o conforto proporcionado por alguns produtos tecnolé gicos, é necessério possuir os últimos lané amentos. Numa sociedade consumista, o consumidor é permanentemente incentivado a adquirir novos produtos.

E essa onda consumista traz graves consequé ncias para a nossa sociedade. No plano individual, um grande número de pessoas se encontra em uma situação de endividamento extremo estimulado pelo desejo de consumo. E isto acaba prejudicando não sé a saúde financeira, mas também a saúde fé sica e mental dos endividados. Além de comprometer os relacionamentos e prejudicar inclusive a vida profissional.

Adotar um novo padrão de consumo pode ter impactos significativos na vida financeira. Sem comprometer o planejamentocom o consumo de uma sé rie de supé rfluos, sobraré mais dinheiro para a realização dos mais diversos objetivos já .