Esté  sufocado pela crise? Aprenda a investir em sua educação  financeira

Esté sufocado pela crise? Aprenda a investir em sua educação financeira

20151014-dinheirama-tesouro-diretoUma forte crise economica é o remédio mais amargo para mudanças de hábitos de consumo. E se o senso comum prega que uma recessão sé deixa estragos, é preciso ter uma visão mais cré tica e entender que também é possé vel mudar hábitos de consumo de modo permanente. Ter uma postura mais consciente em relação ao dinheiro significa amadurecimento em educação financeira, não é uma atitude que deve ser adotada somente em tempos de crise.

Pesquisa nacional feita com mais de 2.800 pessoas pela agé ncia de comunicação Nova/sb mostrou que 92% dos entrevistados mudaram o comportamento e se tornaram mais racionais em relação ao consumo, no período de um ano, considerando o intervalo de novembro de 2014 ao mesmo mês de 2015. Entre quatro perfis encontrados no levantamento, três encararam o dinheiro de uma forma mais prática e utilité ria.

A maioria dos entrevistados (49%) foi classificada como Smart Buyer. Sé o os que se sentem menos afetados pela crise, são meté dicos com o planejamento para não abrirem mé o do que conquistaram e usam a tecnologia como forma de garantir economia nas compras, atravós de sites e aplicativos de comparação de pre os, por exemplo. Na sequé ncia, aparecem aqueles classificados como “Pé no Ché o” (26%), são muito engajados nos cortes de gastos mensais e bem ponderados para assegurarem suas prioridades e evitarem supé rfluos. Um outro perfil identificado é chamado de “Sobrevivente” (17%), composto por pessoas que estão no limite do planejamentoe que, portanto, encontram mais dificuldades para cortar gastos. Por fi, aparecem os “ostentadores” (8%). Felizmente, compé em um percentual menor dentre os entrevistados e são aquelas pessoas que não amadureceram com o momento de recessão. Estão sentindo os impactos da crise, mas querem manter o mesmo padrão de vida.

O período de um ano pode parecer pouco tempo para que mudanças bruscas no comportamento financeiro aconte a, mas a necessidade é um bom motivador. é interessante perceber, por exemplo, o comportamento do perfil mais encontrado, de usar a tecnologia para pensar em compras de uma forma mais otimizada. Cortar supé rfluos em período de crise é importante, mas isso não significa que seja preciso eliminar todos os desejos. A limitação do planejamentoserve como empenho para que pre os melhores sejam procurados com mais afinco.

Uma caracterástica comum aos pertencentes do grupo classificado como “Pé no Ché o” foi a abertura para experimentar novas marcas e produtos, ou seja, um passo para sair da zona de conforto e, de repente, descobrir uma nova experié ncia de consumo com pre o mais em conta.

Os desafios de atravessar um período de crise não são fáceis, mas uma certeza é preciso ter em mente: se a crise é passageira, novos hábitos de consumo podem ser permanentes. Uma vez que a dificuldade lhe ensina a usar o dinheiro com mais responsabilidade, a li o é levada para a vida toda. Se o momento econé mico desfavorável para o país está prejudicando seu bolso agora, o aprendizado será seu investimento para o futuro.