IMG_83F6DB-E0A06D-EC6706-6C1A0F-27092C-19BE30

Especialistas em finanças pessoais sublinham que, antes de comprar um carro, é preciso acender o sinal amarelo. Segundo eles, interessados devem avaliar de maneira minuciosa se o bolso terá condições de suportar todas as despesas para colocar o veículo em circulação.

– Carro não é investimento. É gasto. Em média, um automóvel de R$ 35 mil custa de R$ 17 mil a R$ 18 mil por ano em despesas. Há gastos com IPVA, seguro, gasolina, manutenção e estacionamento, além da depreciação no valor do veículo – ressalta o economista Samy Dana, professor da Fundação Getulio Vargas (FGV).

Conforme o educador financeiro Adriano Severo, em média, a desvalorização anual de um automóvel novo é de cerca de 10%. No primeiro ano, diz o especialista, o índice é ainda maior – em torno de 20% – por conta de o veículo deixar de ser 0km:

– Ao sair da loja, o carro perde valor.

Severo acrescenta que é importante analisar antes da compra como e com qual frequência o automóvel será usado. Assim, destaca o especialista, o motorista poderá encontrar o carro mais adequado a suas atividades, que podem ser desde trajetos mais curtos a viagens mais longas, que pedem veículos espaçosos e, possivelmente, com preços elevados. Além disso, Severo observa que é necessário estudar diferenças entre lançamentos e modelos mais antigos:

– Se um carro de 2017 não desvalorizou muito até o momento, vale a pena gastar um pouco mais e comprar o 2018. Não compensa pagar só um pouco a menos para ter um modelo mais antigo. Do contrário, se a desvalorização foi grande até o momento, pode valer a pena gastar menos e adquirir o 2017, porque poderá haver desvalorização parecida com o 2018 – exemplifica.

Por conta das incertezas que permanecem no cenário econômico, o diretor do Centro de Estudos Automotivos (CEA), Antônio Jorge Martins, também recomenda análise aprofundada antes das decisões. Segundo o especialista, se o interessado em ter um carro não precisar comprometer seu orçamento para pagar as despesas do veículo, é possível encontrar ofertas atraentes no mercado.

Compartilhe nas Redes Sociais:

Fonte: Gaúcha ZH


Leia também