Hora de se desfazer dos mitos sobre a aposentadoria

A realidade do aposentado mudou: ele vive mais, gasta mais e recebe menos em benefícios; frente a isso, planejar é a saída.  Qualquer brasileiro que já chegou à meia idade deve se preocupar com a aposentadoria. Poré, se somente agora você começou a refletir sobre o assunto, é bom ficar atento, pois existem muitos mitos a respeito do tema, que podem atrapalhar o seu planejamento financeiro. Uma coisa é certa: muito mudou desde a época em que seus pais ou avós se aposentaram. De um lado, a Previdência Social vem dando sinais cada vez mais evidentes de estrangulamento financeiro e, consequentemente, reduzindo o valor dos benefícios concedidos aos aposentados. Por outro, a previdência complementar cresceu e se tornou mais abrangente, o que veio facilitar a tarefa de quem investe no longo prazo.

Um dos mitos da terceira idade é que os gastos caem com o passar dos anos. Ainda que muitos dos seus gastos eventualmente desapareçam com o tempo, outros tendem a aumentar, e é preciso ficar atento a isso. Um exemplo prático são os gastos com remédios e saúde. Para ilustrar o peso destes itens no orçamento das pessoas de mais idade, tomamos como base a composição do índice de inflação desenvolvido pela Fundação Getúlio Vargas, que é voltado à terceira idade: o IPC-3I. A maior diferença na composição do IPC-3I e o IPC-BR está na parcela dedicada a gastos com saúde e cuidados pessoais que, no caso do IPC-3I, têm peso de 15% na composição do índice e, no caso do IPC-BR, têm peso de 10%.

Outro mito é de que, finalmente, a pessoa vai viver de renda. Isso não é necessariamente verdade, já que a inflação pode comprometer até mesmo patrimônios feitos para durar por vários anos. Assim, a capacidade que você terá de viver, ou não, de gerar renda com seus investimentos vai depender do tipo de padrão de vida que você pretende ter e do quanto você economizou ou investiu numa previdência complementar. Lembre-se que deixou de ser verdade a máxima de que os aposentados têm seus gastos reduzidos, pois não precisam mais arcar com gastos com filhos e outros. São cada vez mais comuns, no Brasil, os casos de aposentados que ajudam os filhos, pagando escola e/ou plano de saúde dos netos, por exemplo. Não se deve esquecer que, na fase inicial da aposentadoria, muitas pessoas tendem a gastar mais com viagens e lazer. Afinal, esta é a hora de aproveitar a vida. À medida que o tempo passa, e você fica mais velho, é possível que tenha menos energia para viajar, e seus gastos eventualmente caiam. Portanto, antes de sair gastando integralmente a renda obtida com seus investimentos, faça as contas com cuidado. Planeje seu presente e futuro.