20150907-dinheirama-amor-dinheiro

Fim de ano é tempo de ganhos, gastos extras e neste ano incertezas com a corrida eleitoral. Mas, independentemente dessas situações, algumas coisas permanecem iguais em todos os anos: euforia das comemorações, a correria para encontrar o presente ideal para parentes e amigos e o sonho de viajar, que podem ser comprometidos quando falta planejamento financeiro. Além de todas essas despesas, o ano novo também traz velhas conhecidas, como IPVA, IPTU, matrícula e material escolar, entre outras. Por isso, este é o momento ideal para fazer uma verdadeira “faxina” financeira no orçamento, com o objetivo de diagnosticar a atual situação das suas contas e decidir o que fazer no ano que vem.

Pensando nisso, preparei algumas orientações que devem ser levadas em conta nesse período:

Compras

No fim de ano as oportunidades de compra aumentam muito, consequentemente o desejo e o risco de comprar por impulso também, portanto antes de comprar, faça algumas perguntas para si mesmo: estou comprando por necessidade real ou movido(a) por outro sentimento, como carência ou baixa autoestima? Se não comprar isso hoje, o que acontecerá? Tenho dinheiro para comprar à vista? Se comprar a prazo, terei o valor das parcelas? O acúmulo de parcelas colocará em risco a realização dos sonhos que priorizei com a família?

Além disso, por mais que pareça difícil, com planejamento dá para comprar à vista tudo aquilo que deseja. Quem poupa dinheiro e pesquisa o melhor preço, paga menos e tem grandes chances de conseguir bons descontos. Lembre-se, as prestações também são formas de endividamento.

Outro ponto a ser levado em consideração na hora das compras de fim de ano é pedir descontos, pechinchar. Muitos têm vergonha de negociar, mas não há problema nenhum em buscar o melhor preço. Se um produto custa mil reais e pode ser parcelado em 10 vezes de 100 reais, certamente à vista custará de 10% a 20% menos.

13º salário

O 13º salário é uma renda-extra bastante esperada pelos brasileiros, mas deve ser utilizado com sabedoria. Muitos utilizam o benefício para cobrir o seu desequilíbrio financeiro e outros até recorrem aos bancos que oferecem a antecipação desse recurso como uma forma de empréstimo, para conseguir quitar dívidas ou amenizá-las.

Quem utiliza o 13º salário para esse fim combate apenas os efeitos do  endividamento, e não a causa. Com essa atitude, só estará mascarando o real e verdadeiro problema, que é a ausência de educação financeira em toda família. O pagamento das dívidas contraídas precisa ser feito com o próprio salário, e se houver dificuldades é necessária uma redução de gastos. Em todos esses anos de experiência, vejo que a grande maioria das pessoas que estão nessa situação não respeita o seu próprio padrão de vida.

IPVA e IPTU

Dois dos gastos que mais desequilibram a vida financeira dos brasileiros são o IPVA e o IPTU, mas não precisa ser assim. Não programar esses pagamentos com antecedência é o maior erro.

Mas uma das dúvidas mais comuns em relação ao IPTU e ao IPVA é sobre a condição de pagamento: é melhor pagar à vista ou a prazo? Antes de ter essa resposta, é preciso saber em que situação financeira você se encontra: endividado, equilibrado financeiramente ou investidor. Se for a primeira ou segunda opção, dificilmente conseguirá fazer o pagamento à vista, restando o caminho do parcelamento. Lembrando que se deve evitar ao máximo recorrer a empréstimos, limites do cheque especial ou qualquer outra maneira de crédito do mercado financeiro, pois isso apenas se tornaria uma bola de neve, devido aos juros altíssimos cobrados.

Agora, caso a situação financeira esteja mais confortável, sendo investidor, recomendo, sem dúvida nenhuma que o pagamento seja feito à vista, já que obterá 3% de desconto no IPVA e 6%, em média, no IPTU. Mas é importante

ficar atento aos compromissos futuros; muitas pessoas se deixam levar pelo bom desconto e acabam esquecendo que haverá outras contas a serem pagas naquele mesmo mês ou nos próximos. De que adianta pagar à vista e conseguir desconto em uma despesa e não ter dinheiro suficiente para quitar as outras?

Isso nos leva a outro importante aspecto da educação financeira: ter uma reserva financeira, o que evita problemas como esse e nos deixa mais seguros, em caso de imprevistos.

Planejamento é um dos preceitos fundamentais da educação financeira, portanto o quanto antes começar, melhor. As contas de fim e início de ano sempre irão existir, mas tendo em mente o quanto elas representam no orçamento e se preparando com antecedência, elas podem deixar de ser vilãs e assim você poderá ter uma vida financeira muito mais saudável e organizada.

Fonte: Jornal Dia a Dia


Leia também

A saúde financeira do brasileiro após a aposentadoria

Sondagem com 15 países põe o povo brasileiro entre os cinco mais preocupados com a velhice. Você está preocupado com a sua aposentadoria? Planeja a sua vida após pendurar as chuteiras? Pesquisa da consultoria Accenture em 15 países coloca o ...

Conheça a importância da educação financeira para jovens

No Brasil, a educação financeira ainda é um assunto pouco debatido, tanto no âmbito das escolas quanto no próprio contexto familiar. Entretanto, muito embora uma discussão aberta a respeito do tema ainda não seja tão comum, esse é um assunto ...

Preocup é o com as finanças afeta produtividade

Problemas que envolvem dinheiro e finanças pessoais são responsáveis pela ausência de funcionários em 58% das empresas pelo mundo, segundo constatou a seguradora Metlife em pesquisa.O levantamento também mostra que em 78% das companhias sondadas, as preocupações do funcionário com ...

Empr stimos feitos por idosos são por impulso ou para outras pessoas

Aparentemente atrativas, as ofertas de empréstimos para aposentados e pensionistas têm deixado cada vez mais pessoas endividadas, numa faixa etária em que as pessoas deviam estar desfrutando de suas aposentadorias. Dados do Conselho Municipal do Idoso (Comid) de Lages apontam ...

O risco das decisões judiciais para as entidades

 Um dos principais fatores de risco relacionados com o segmento de previdência complementar atualmente são as decisões proferidas em ações judiciais movidas pelos participantes dos planos de benefícios previdenciários que elas administram. O número de ações judiciais vem se avolumando a cada ano, sendo “descobertas” ...