Meta Atuarial

 O Conselho Nacional de Previdência Complementar (CNPC) adiou a decisão de reduzir o teto da meta de retorno que os fundos de pensão do país se comprometem a entregar nos benefícios futuros, chamada meta atuarial. A proposta apresentada pela Superintendência Nacional de Previdência Complementar (Previc), órgão fiscalizador dos fundos de pensão, era que o teto da rentabilidade real caísse de 6% para 5,5% ao ano. O adiamento foi pedido pela Abrapp, que representa os fundo de pensão e que pediu a formação de uma comissão para discutir o assunto.