Planejamento das despesas promove a saúde das finanças familiares

Planejamento das despesas promove a saúde das finanças familiares

contas-casal-orcamento

A elaboração de um plano financeiro realista, com a contabilidade de receitas e despesas e o eventual corte de gastos que promova o equilíbrio da balança doméstica, é fundamental para a tranquilidade da família.

Se a crise financeira já é uma realidade na vida da família, é preciso iniciar a busca pela solução, o primeiro passo para uma vida financeira saudável.

É necessário elaborar um plano financeiro que suporte a liquidação de compromissos pendentes e permita uma vida tranquila, não necessariamente com queda na qualidade de vida, mas com atitudes sóbrias e eventuais sacrifícios compartilhados entre todos os atuantes, sejam eles contribuintes ou não da renda, mas certamente participantes dos gastos.

O plano financeiro representa a elaboração de um fluxo de caixa, no qual estarão destacadas as entradas de recursos e as despesas para a manutenção do cotidiano familiar. A liquidação de saldos de cheque especial a descoberto e saldos de cartão de crédito em parcelamento deve ter prioridade, pois os juros sobre essas dívidas são os mais elevados do mercado financeiro. Os bancos credores negociam o pagamento dessas dívidas, geralmente a custos bem menores, o que permite que sejam liquidadas, mesmo que em prazos mais longos.

Com a liquidação das dívidas, a família pode voltar a investir em itens como atividades de lazer, ida a restaurantes e outras coisas não indispensáveis ao bem-estar da família de modo geral. O descontrole permanente na vida financeira de uma família pode trazer uma instabilidade indesejável entre seus participantes, além dos desgastes que traz ao casal por sempre estar envolvido com credores.

O plano financeiro exige que sejam reduzidos os gastos na medida do possível, partindo-se daqueles que chamamos de “desperdícios financeiros” e que são facilmente identificados, como energia elétrica, água, combustível, lazer, entre outros. Eliminando-se os gastos com desperdícios e aqueles com compras e atividades dispensáveis, tem-se a real necessidade financeira da família. A partir daí o controle de fluxo permitirá identificar quando a família poderá assumir despesas com itens eventualmente abandonados.