Prazer, dinheiro e rené ncia: não existe escolha sem dor

Ao ser convidado para um evento, certa vez, declinei por falta de tempo. Meu interlocutor disse: tempo você te, o que não tem é a prioridade para este evento.
Passei a reparar em quantas escolhas temos que fazer durante a vida, como dedicar tempo para cultivar uma amizade e abrir mão de ficar com outras pessoas ou escolher entre uma tarde na churrascaria ou na academia.
Em tudo na vida, há escolhas e renúncias, mas nosso cérebro está sempre mais treinado para pensar nos benefícios do que na renúncia.
Se você compra uma televisão à vista por R$ 1.500, está renunciando a essa quantia em troca da satisfação de ter a TV. Mas, se não comprasse, o que poderia fazer com o dinheiro? Para alguns, a compra pode significar a renúncia de uma viagem ou de roupas no armário. Para os mais precavidos, um aumento da renda após a aposentadoria.
Quando se compra a prazo, além da renúncia, há os juros. Se alguém parcela a TV de R$ 1.500 em dez vezes de R$ 170, a renuncia é de R$ 1.500 mais os R$ 200 de juros.
Criou-se uma lógica de que quanto mais eu consumo, mais feliz eu fico. Esta premissa é ótima para os marqueteiros, mas será que vale para todos? Ganha-se ao postergar a satisfação?
O principal incentivo são os juros. Quem posterga recebe um "plus" em relação àquele que quer antecipá-la.
Já dizia Antoine de Saint-Exupéry: "Determinada flor é, em primeiro lugar, uma renúncia a todas as outras flores. E, no entanto, só com esta condição é bela".

Portanto, lembre-se:

1) ao consumir, você renuncia aos juros que receberia da poupança;

2) ao financiar, renuncia a satisfações futuras

3) quando se endivida mais do que pode, renuncia a boas noites de sono.