Previ pensa em estender seus negé cios fora do Brasil

 Com um patrimônio de R$ 153,5 bilhões e uma carteira de investimento de R$ 150,1 bilhões até junho, a Previ (Caixa de Previdência dos Funcionários do Banco do Brasil), já pensa em estender seus negócios além das fronteiras do país para garantir bons retornos, num cenário doméstico de queda de juros. Renê Sanda, diretor de investimentos da Previ, defende que a fundação possa fazer investimentos no exterior a partir de 2013, pois teme que após a criação do Funpresp, mega fundo de pensão do funcionalismo público, que será um grande investidor institucional, o mercado doméstico se torne pequeno para cobrir as necessidades atuariais da fundação. "Inicialmente, seria uma aplicação pequena, como um treinamento para nos adaptarmos a uma nova cultura no nosso portfólio. Mas tudo vai depender da aprovação do conselho", disse ao Valor. A novidade deve ser levada à apreciação do conselho deliberativo, órgão máximo da fundação, que aprovará até o final do ano o plano de investimento para 2013. A possibilidade das entidades de previdência fechada investirem no exterior foi aberta pelo órgão regulador, a Previc, há dois anos. Até agora, nenhum deles ousou ir tão longe. Segundo as novas regras, o valor a ser aplicado pela fundação lá fora deve ser limitado a 10% do total investido pela entidade e por meio de fundos, com participação máxima de 25% para cada cotista. Para concretizar esta estratégia, a Previ tem que fazer parceria com mais três entidades, destacou Sanda. "É um movimento que já aconteceu em países como o Chile e a Holanda, e que para nós teria sentido de diversificação e redução de riscos", enfatizou. Apesar de já contar com uma carteira de ações de R$ 90 bilhões, 60,1% de todo o valor investido pela Previ, Sanda planeja aumentar esse portfólio no novo ambiente de negócios do país. O limite de aplicação em ações é de 70% para os fundos de pensão. No primeiro semestre, a aplicação no mercado de capitais teve rendimento negativo, mas no longo prazo é visto pelos fundos como um grande investimento. Nos últimos dez anos até 2011, as aplicações da Previ em ações acumularam uma rentabilidade de 717,18%.