Qual o valor ideal de dinheiro para imprevistos?

Qual o valor ideal de dinheiro para imprevistos?

Ter um dinheiro guardado especificamente para ser usado com imprevistos é uma das regras básicas da Educação Financeira. Mas, exatamente quanto deve ser este valor? É claro que quanto mais, melhor! No entanto, nem todo mundo tem condições de guardar muito dinheiro, de forma que o ideal é que tenhamos pelo menos um valor mínimo aceitável.

Em primeiro lugar, é sempre bom lembrar de quais ‘Imprevistos’ estamos falando. Por exemplo, uma promoção relâmpago para a compra de um carro ou uma TV não é um imprevisto!

Estamos falando aqui daquelas situações desagradáveis que podem nos ocorrer e pelas quais temos pouco ou nenhum controle: algum problema de saúde, a perda do emprego ou um carro batido.

Calculando o valor mínimo

Para calcular o valor mínimo geralmente usamos a regra dos 3 salários (ou rendimentos) mensais. Ou seja, em caso de algum imprevisto, você teria reservas suficientes para se sustentar por até 3 meses com seu próprio dinheiro, sem recorrer a empréstimos.

Este é um valor razoável para lhe dar uma boa segurança mas, se por alguma razão for um objetivo muito distante para você, não desista. Defina um objetivo menor, como 2 ou até mesmo 1 salário. E busque ir aumentando este valor com o tempo.

Qualquer valor guardado para este fim já é uma grande conquista!

Quem ganha mais, precisa de mais?

Se você tem um bom salário, poderia argumentar que uma reserva de 3 meses é muito dinheiro. Bem, sim e não.

O que você deve avaliar na verdade são os seus gastos mensais. Vamos supor que você ganhe R$ 15.000 mensais líquidos. Mas, precisa de R$ 5.000 para viver (ou seja, gasta na média este valor mensalmente). Neste caso, somente um salário de reserva já garantiria os seus 3 meses de segurança sem rendimentos!

Agora, se já não sobra nada no final do mês, significa que seus gastos estão perto dos R$ 15.000. Aí você terá que guardar mesmo os 3 meses de salário.

Mudando um pouco a regra

Depois do tópico acima, já deu para perceber que é melhor mudarmos um pouco a regra dos “3 salários”, para que os gastos de cada um também sejam levados em conta.

Ou seja, o ideal é que cada um tenha uma reserva contra imprevistos suficiente para passar até 3 meses sem trabalhar.

Melhorou, certo?

Será que todo mundo guarda este valor?

Não temos muitos dados sobre isso aqui no Brasil, mas nos Estados Unidos um estudo da instituição financeira “JPMorgan Chase & Co” com seus correntistas indicou que a grande maioria deles não tinha condições de cobrir nem mesmo 1 mês dos seus salários.

Eu tenho a impressão de que aqui no Brasil a situação também não deve ser muito diferente disso…

Outras formas de poupança para imprevistos

O cuidado com os imprevistos não necessariamente precisa ser composto somente por uma reserva em dinheiro.

Algumas outras formas para se precaver são os diversos tipos de seguros, por exemplo. Ou ter uma fonte de renda extra na família. Seja criativo e aumente ainda mais a sua segurança!

Fonte: Minhas Economias