Rico não e quem ganha muito, e quem gasta pouco

Especialista em ajudar pessoas endividadas a encontrar solução para seus problemas, o Senhor Dinheiro também é rigoroso ao exigir disciplina de quem quer pôr contas em dia:

Dieta do orçamento

Toda dieta é boa, desde que as pessoas estejam determinadas a cumpri-la. É preciso saber fazer a dieta do orçamento, examinar as despesas e cortar tudo o que não se pode gastar. Como fazer isso? Controlando as necessidades de consumo e, principalmente, o impulso consumista. Uma boa medida para fazer isso é abandonar cartão de crédito e talão de cheques. Assim, você só sairá com o dinheiro no bolso. Quando chegar no dia 22 do mês e não tiver mais dinheiro, azar o seu: não gastará mais. Essa é a maneira mais radical e tranquila para evitar endividamento.

Consumo responsável

Faça um orçamento relativo às despesas, avalie o que é necessidade mesmo e só gaste aquilo que for preciso. Agora, se as suas necessidades são maiores do que você ganha, trate de reduzir o seu padrão de vida. A menos que você esteja disposto a trabalhar mais só para pagar pesados juros aos bancos. É isso que ocorre com quem não paga toda toda a fatura do cartão de crédito, por exemplo. Rico não é quem ganha muito, mas quem gasta pouco. Não adianta ganhar R$ 10 mil e gastar R$ 12 mil. Quem ganha R$ 1 mil e gasta R$ 800 é mais rico.

Se não for rico, vá para a poupança

Quem não é rico deve aplicar na caderneta de poupança. Se colocar num fundo de investimento, vai arcar com taxa de administração que às vezes chega a 4% ao ano, além de pagar imposto de renda. Quem tem mais de R$ 200 mil para aplicar pode pensar outro tipo de investimento, senão é melhor deixar na poupança. Agora, se a pessoa for rica, tem o que chamamos de fundo exclusivo. Se eu tenho um fundo só meu porque tenho R$ 2 milhões aplicados, o custo de administração vai ser 0,5% ao ano, daí passa a valer a pena.

Momento ideal para a bolsa

Agora é um momento ideal para comprar papéis na bolsa, porque todo mundo está dizendo que está caindo e não vale a pena. Esta é a hora de comprar. Não quer dizer que vá subir em seguida, porque investimento em ações é de longo prazo, mas ao menos pode ter certeza que comprou na baixa. A pessoa que já tem dinheiro investido em ações deve comprar mais.

Ensine restrições aos filhos

Os pais precisam dar limites aos filhos. A sociedade de consumo em que a gente vive exerce uma pressão muito grande sobre as crianças. Não tem sentido criança de sete ou oito anos ter computador, celular, muitos games. É só para quem quer realmente estragar os filhos. Ensine os filhos a viver com restrições, com objetivos, com ideais alcançados pelo trabalho. No caso das crianças, com o estudo. Os pais acham que dizer “não” dá muito trabalho.

Saiba cortar despesas

Ao fazer uma relação das despesas mensais, você acompanha um mês ou dois, e constata que gastou R$ 120 na conta do celular, por exemplo. Deve avaliar a necessidade de gastar esse valor e se tem condições de gastar esse valor. Se não tiver, é preciso cortar, nem que seja usando cartão de orelhão. Não estou sendo radical, é a realidade que vejo no país todo, em palestras feitas para o que chamo de chão de fábrica. E a questão não é ganhar pouco, mas sim gastar mais do que se tem.

Como dispor os ovos na cesta

O iniciante deve investir em caderneta de poupança. Em qualquer idade, o melhor investimento é fazer um plano de previdência complementar, porque não dá para mexer. Mas não se deve colocar todos os ovos na mesma cesta. Um planejamento para a vida toda pode seguir essa receita:

Compromisso com a previdência

Quanto mais cedo a pessoa puder investir em um plano de previdência complementar, melhor. É um dinheiro que é difícil de aplicar, mas, depois que está lá, fica durante muito tempo rendendo para o futuro. É um recurso que fica realmente de reserva, porque não se pode mexer sem perda expressiva de rendimento. Uma boa opção é reservar um valor fixo por mês, e transformar essa contribuição em compromisso pessoal.

– R$ 2 milhões é um exemplo do valor a partir do qual o aplicador tem mais conforto para aplicar em fundo próprio

– R$ 200 mil é o valor mínimo, na avaliação de Ewald, para o aplicador pensar em diversifi car investimentos