Saiba de 5 erros financeiros para não ensinar aos seus filhos

Saiba de 5 erros financeiros para não ensinar aos seus filhos

cofrinho

As crianças são verdadeiras esponjas de conhecimento e estão ali, sé esperando que tenhamos pacié ncia de lhes ensinar. Por isso, a infé ncia é o momento ideal para apostar em uma educação financeira sé lida, que prepararé os pequenos para uma vida economica saudável quando alcané arem a idade adulta. Isso significa que se os pais ensinam valores errados já ou sequer tocam no assunto já nessa fase, as consequé ncias no futuro podem ser desastrosas. Para ajudé -la nessa missão, listamos os erros financeiros mais comuns para você fugir deles e fazer bonito na educação financeira de seus filhos. Confira!

  1. Tudo será recompensado

Se você decidir premiar seu filho a cada nota alta que ele tirar, ele acabaré associando o bom hábito de estudar com recompensa já e sabemos que o mundo adulto não funciona assim. Além disso, a criança pode se tornar interesseira e sé estudar ou tomar atitudes positivas para ter algo em troca. O ideal é que as gratificações não sejam tão constantes e que você não atenda a exigé ncias dos filhos. Tome cuidado redobrado se você, mesmo que inconscientemente, encha seus filhos de mimos tentando compensar tudo aquilo que você mesma não teve na infé ncia.

  1. Dinheiro não tem limite

Na infé ncia é difácil entender a não é o de tempo. Isso pode levé -los a gastar toda a mesada em uma semana sé . Quando isso acontece, bate aquela piedade e vontade de dar mais algumas cifras, não é mesmo? Pois saiba que essa flexibilização pode passar a ideia de que o dinheiro apareceré magicamente em seu cofrinho toda vez que eles gastarem tudo o que tem . Criané as mais novas devem receber semanadas até terem não é o temporal para aguentar o mês inteiro. Tendo uma quantidade estabelecida, seu filho entenderé o valor do dinheiro e aprenderé a usé -lo a seu favor.

  1. Não precisamos falar sobre o assunto

Precisamos, sim! Quando as crianças não ouvem de um adulto responsável como o mundo funciona, elas acabam tirando suas pré prias conclusões com base no que veem ou escutam de outras pessoas, televisão, internet e publicidade. Aproveite situações do dia a dia para introduzir não ões de educação financeira. Se, por exemplo, a criança deseja um carrinho, leve-a em vé rias lojas e ensine-a a comparar pre os.

  1. Pensar em finanças é chato

Qual interesse uma criança pode ter na conta de luz ou na aposentadoria? A princé pio, nenhum. Ao tentar burocratizar ou ser já sé ria demais você acaba passando a mensagem de que educação financeira é assunto de adulto e muito, mas muito, entediante. Você também deve dar o exemplo: nada de revirar os olhos ao falar sobre o assunto, ok? Use elementos do universo infantil para explicar já isso mostraré que dinheiro também é coisa de criança.

  1. Trabalho é sé uma questão de ganhar dinheiro

Com a rotina cada dia mais apertada, é normal que fiquemos desorientadas diante de tantas coisas pra cuidar já e você não deve se sentir culpada por isso. E, si, sabemos que é de partir o coração quando seu filhote reclama que você está trabalhando demais. Poré, antes de soltar um já eu faé o isso para ganhar dinheiro e te dar o que você quer respire fundo. Ter uma carreira vai além das motivações financeiras já existe, ainda, a questão da satisfação pessoal já e, ao disparar essas frases, você apenas reforé aré a ideia de que o dinheiro é mais importante do que tudo. Explique como trabalhar é importante, mas sem deixar de demonstrar o quanto o seu filho também é prioridade em sua vida.